SÍNTESE


Nesta postagem procuraremos fazer um resumo sobre as causas e consequências relatadas pelos espíritos sobre o suicídio.
O véu que encobre a realidade extracorpórea está em grande parte levantado pela doutrina espírita. Luzes foram postas sobre as trevas de nossa ignorância. Tolo será aquele que delas não fizer o uso adequado. Aliás, todo conhecimento, à semelhança de um farol de carro, é luz para se enxergar mais ao longe e elemento indispensável de proteção.
Veremos que a dor por mais insuportável que possa parecer sempre estará na iminência de atingir características mais intensas quando, ao invés de nos propormos a batalhar pela sua aceitação, solução e cura, optarmos pela medida extrema da morte.
Por isso, não se vai a um lugar sem antes saber o que tem lá. E é nesta linha que os espíritos procuram nos auxiliar, cansados que estão de ver o triunfo quase completo da ignorância sobre aqueles que justamente deveriam acabar com ela: nós seres humanos, tidos como racionais.
O problema é que com relação a certos lugares só é possível saber realmente como é, indo! E esse é o caso do mundo espiritual. Contudo, sempre dá para se ter uma ideia. Ou será que panfletos de agências de viagem não servem para nada?!
A intenção de nos alertar por parte de quem está do lado de lá sempre existiu. Isso se deu por profetas, iluminados, etc. Só que sempre fica a dúvida: mas e se porventura tal realidade não existir, ou seja, tudo acabar com a morte do corpo? Enfim, e se a alma não passar apenas de um conjunto de sinapses cerebrais que deixará de existir com o fim do dito causador: o cérebro?
Essa é a crença materialista, a qual não deixa de ter lá seu fundamento, já que, até hoje, nenhum médico cirurgião encontrou dentro de um corpo humano ainda vivo algo além de matéria em formato de órgãos e secreções.  
Mas será que não seria arriscar demais, no caso do suicídio, buscar a morte sem antes adotar um critério mais seguro e não movido apenas pela constatação superficial de algo feita por outrem? Afinal de contas, há muito em jogo!
Um cego de nascença tem o direito de não acreditar na existência da luz. Contudo, ouviria muitos tentarem convencê-lo do contrário. E se no campo da razão fosse ele leal, poderia até não se convencer, mas ao menos acalentaria a possibilidade de existir algo que ao tocar qualquer objeto é refletido para toda parte e, quando esse mesmo reflexo toca o olho saudável de alguém, forma imagens tridimensionais no cérebro deste, ou simplesmente a luz.
Da mesma forma o barulho sobre a existência de Deus e de um mundo espiritual é muito grande para não se admitir ao menos a possibilidade.
Então, conclui-se que é no mínimo prudente ouvir – claro, sempre pelo filtro da razão –, quais são os fundamentos daquilo, que para uns é alucinação, para outros é suspeita e para muitos é fé.
Enfim, indagar: donde vêm essas ideias sobre o transcendental? Quais são as provas, visto que, como já dito, não é de uma visão in loco do interior do corpo humano? Que espécie de “alucinação” coletiva seria esta que gera toda uma rica e criativa gama de seres e fenômenos transcendentais, tais como deuses, fantasmas, céu, inferno, dimensões, etc.? Tudo isso é inventividade da mente humana ou realidade?
E mais ainda: como ficam as curas atribuídas à fé e tidas por milagrosas? Vêm simplesmente das sinapses cerebrais, ou seja, do poder sugestivo da mente material? Podem até vir, mas só isso já é fantástico demais para não se buscar entender o porquê das dores e das suas possibilidades de cura.
Mas como este texto visa trazer apenas um resumo daquilo que os espíritos informam sobre a temática suicídio, vamos ao que interessa, sem ter a pretensão de ser o possuidor de todas as respostas para todas as circunstâncias e situações.
Faremos uma viagem no tempo, abarcando passado, presente e futuro. Claro, considerando como presente a nossa atual condição de seres encarnados, pois que, como é óbvio, o que é presente para nós encarnados, para um espírito desencarnado já é passado.
Para acessar as postagens correspondentes clique ao lado do que deseja ler:

PASSADO – CAUSAS [clique aqui]:

1º) Existir [clique aqui];
2º) Nascer [clique aqui];
3º) Circunstâncias Reflexas [clique aqui];
4º) Vergonha e Culpa [clique aqui];
5º) Vida Intrauterina, Infância e Juventude [clique aqui].


PRESENTE – CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS [clique aqui]:

1º) Obsessão [clique aqui];
2º) Ilusão [clique aqui];
3º) Transtornos Mentais [clique aqui];
4º) Vícios [clique aqui].


FUTURO – CONSEQUÊNCIAS [clique aqui]

FUTURO PRÓXIMO – ERRATICIDADE [clique aqui]:

1º) Imortalidade [clique aqui];
2º) Repercussão no Corpo Espiritual [clique aqui];
3º) Repercussão no Emocional [clique aqui];
4º) Repercussão em Terceiros [clique aqui];
5º) Umbral [clique aqui];
6º) Escravidão [clique aqui].


FUTURO REMOTO – REENCARNAÇÃO [clique aqui]:

1º) Deformidades Físicas [clique aqui];
2º) Emoções em Desequilíbrio [clique aqui];
3º) Reencarnações Curtas [clique aqui];
4º) Recapitulação de Experiências [clique aqui];
5º) Amadurecimento Espiritual [clique aqui].


CONCLUSÃO

Tudo o que foi dito nas causas e consequências acima discriminadas – embora não corresponda ao todo –, é para entendermos que nós mesmos somos construtores de nosso destino. Não há nada que não corresponda a nossa única e exclusiva responsabilidade.
Enquanto Deus nos colocou numa escola (escola da vida) com o único objetivo de sairmos dela mais amorosos e sábios, nós optamos em transformá-la em um hospital, muitas das vezes de loucos.
Somos hoje o resultado do que plantamos ontem, e o amanhã dependerá do hoje. Simples assim!
Enquanto não vencermos as provas que nos são dadas nesta escola da vida para delas nos formarmos o quanto antes, estaremos sujeitos ao contato de seres tão ignorantes quanto nós próprios ainda somos. Esse contato excessivo com a ignorância pode nos fazer crer que o bem e o amor não existem, mas se o filhote de uma ave não procurar olhar para além de seu ninho, nunca se sentirá atraído para o voo. O espiritismo é uma lente para enxergar além do ninho.
Assim, lembremo-nos do convite de Jesus:

Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e toda sua justiça, e todas as demais coisas vos serão dadas em acréscimo.” (Mateus 6:33).

Que pode ser traduzido assim: Buscai em primeiro lugar a sua felicidade própria conforme Deus a estabeleceu, e não seja ingrato, e todas as soluções e respostas aos seus anseios lhe serão dadas no tempo oportuno.


EXORTAÇÃO FINAL

“Eu não vos deixarei órfãos.”  (João 14:18)

Filhos e filhas de Deus.
Nós da espiritualidade sabemos dos imensos desafios que têm que passar nesta vida.
Mas vos pedimos cautela e critério mais acentuados para que não ponham a perder a vós mesmos.
O suicídio é o maior enganador de todos os tempos. Não vos livra de nada. Só aumenta – e muito – vossas dores.
Buscai aquele que não vos engana nunca. Que fez da verdade sua melhor amiga.
Eliminai de vossas mentes ainda imaturas a ideia de morte, posto que esta não existe.
Só é garantia para o próprio bem futuro quem busca estar de bem hoje com a Lei Divina.
Isso mesmo, vocês estão todos subordinados a uma Lei infalível. Ela é autoaplicável. É lei e juiz ao mesmo tempo e da qual ninguém escapa.
Essa mesma Lei manda que cuidem de vocês, mesmo que mais ninguém o faça.
Respeitem o tempo estabelecido a cada um, bem como o tempo necessário para a solução de cada problema, já que não existe problema que o tempo não resolva.
Aceitem a ajuda que sempre vem de Deus, que pode parecer imperceptível num primeiro momento, mas que a ninguém é negada.
As soluções dadas pelo Pai, senão são as que concordamos, com certeza são as que precisamos.
Orem ao Pai e sentirão sua presença a lhe apontar o caminho para a vossa salvação e felicidade.
Ninguém está sozinho neste mundo, nem aquele que optou por este caminho.
Vivam, vivam intensamente! Mas o intensamente do espírito, do amor, da evolução, e não se deixem abater, pois que um soldado se faz na luta e um filho somente sucederá ao pai se por este for educado.
Muita paz. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário